Categoria - Diário

Textos aleatórios baseados em meus devaneios e reflexões.

Vortando…

Olá queridos amigos, como vão vocês? Estou bastante sumido, acho que deu pra perceber né?!

Esses dias bateu uma saudade de voltar a postar com frequência nesse blog, assim como eu fazia há um tempo atrás, então pensei: “Por que não mudar o layout por um menos pior mais bonito que o anterior e assim dar um ânimo a mais?”. Encontrei esse por aí e resolvi usá-lo, ainda preciso alterar e traduzir um monte de coisa, mas com o tempo vou ajeitando essas coisas, o importante é que estou no pique de postar.

Vou voltar a fazer como fazia antes, ou seja, postar textos meus de reflexões, desabafos, etc, coisas legais que encontro por aí, resenhas e opiniões sobre filmes e seriados, artigos sobre SEO e claro meu portfolio, que por sinal está completamente desatualizado. Nos próximos posts terão muitos trabalhos que fiz desde o último que postei, por isso não briguem comigo por verem algumas coisas velhas e ultrapassadas hehehe.

Bom, então é isso, só passei pra dizer que voltei e para voltarem a ser aqueles leitores fieis que um dia já tive, só que ao contrário.

Fiquem com Deus.

Bye!

Cotidiano, coisas simples e zona de conforto

É nas coisas pequenas do cotidiano que as vezes da pra se tirar várias lições.

Hoje vi um tiozinho correndo atrás de um ônibus, e eu com meu pessimismo, estava pensando o tempo todo: “Que mané, não vai dar tempo, ele tá muito longe, o busão vai sair antes de ele chegar e ainda por cima é uma linha que passa um atrás do outro, o próximo não vai demorar.”
Realmente não parecia valer a pena aquele esforço que o tiozinho fez. E no final ele conseguiu chegar uns 2 segundos depois do ônibus acelerar, mas o motorista parou para ele subir.

Parece idiota isso e extremamente cotidiano, principalmente aqui em São Paulo onde todos os dias é uma maratona para ir e voltar do trabalho de ônibus e metrô, mas eu fiquei pensando:
O quanto que eu sou todos os dias igual o pensamento que tive, onde não vale a pena correr e perseverar atrás de algo, seja lá qual for o objetivo. Sempre desisto antes mesmo de tentar por pensar que não vai valer a pena o esforço ou simplesmente por estar acomodado em minha zona de conforto.
Mesmo que as vezes tenha algumas outras chances, como aquele cara teria se esperasse o próximo ônibus, eu parei para pensar: “A hora é agora”.

PS: não foi minha intensão fazer nada do estilo “auto-ajuda”, foi mais por querer compartilhar essa reflexão que tive do cotidiano, coisas simples e zona de conforto.

Lutar para chegar ao fim de mais um dia

Muito do que Deus faz em nossas vidas é um grande mistério, muitas vezes não cabe a nós sabermos o porque passamos por determinadas situações, nos resta apenas aceitar a grandeza de uma pequena frase dita para Paulo: A Minha graça te basta.
Esse fim de semana eu fui visitar meu vô no hospital do coração e no mesmo quarto tem um homem que tem uns 40 anos com doença de Chagas, seu coração está dilatado, os médicos deram no máximo 3 meses de vida. Logo agora que seu filho está casando, sua nora está grávida, ele não poderá ver a cara de seu neto. Ele acabou de reformar sua casa para deixar o mínimo de conforto para seu filho. Leia Mais

Programador não é técnico de informática

nerdão

É com frequência que muitos me procuram pedindo para formatar seus computadores ou tirar vírus. A maioria das pessoas acham que só porque você sabe mexer com computador com mais facilidade, você automaticamente tem o dever de saber tudo sobre ele, e pior, não se conformam com o fato de você não fazer esses tipos de serviço.

Não estou desmerecendo os técnicos de informática, tenho muito respeito por eles e inclusive possuo alguns amigos que exercem essa profissão. E também eu não desmereceria eles, porque se eles não existissem, onde que minha mãe levaria o computador dela para tirar vírus depois que de clicar naquelas correntes spam “Você ganhou um carro, clique aqui para receber mais informações”.

O pior é que muitas pessoas também imaginam que um programador não possui uma vida, ele está sempre atoa dormindo e descansando. 80% das vezes que me pedem serviços técnicos, esperam que eu faça de graça, apenas na amizade, pois imaginam que seja coisa rápida e fácil de se fazer.

Eu mesmo deixo de formatar meu pc por meses e mais meses por não ter tempo e não gostar nem um pouquinho de nada desse tipo de tarefa.

Portanto amigos, se você está lendo isso e pretende me pedir para formatar seu computador ou qualquer outra coisa que não seja criação de sites e/ou sistemas web, por favor, não dirijam-se a minha pessoa.

Abaixo uma pequena lista de serviços que um programador (pelo menos eu) não executa por caridade e nem por dinheiro:

  • Formatar computadores
  • Retirar vírus que você pegou após clicar no link sobre suas fotos que ficaram ótimas
  • Instalar programas
  • Configurar Outlook
  • Dar uma olhada porque seu computador não está ligando
  • Atualizar o flash player para você poder jogar seus jogos inúteis
  • Fazer por um milagre seu 486, K6, Pentium 3, ou qualquer outro matusalem, rodar mais rápido

Ah, antes só para deixar claro, muitos programadores, praticamente não tem tempo livre para descansar e se divertir. Assim como eu e alguns amigos da area, começamos nossos expedientes as 7 da manhã e terminamos por volta das 2…3 da manhã. E se fazemos o serviço rápido, não significa que foi mal feito, mas sim que após anos de experiência e prática, conseguimos desenvolver com mais facilidade.

Dia a dia de alguém que tem TDAH (Déficit de Atenção)


O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade ou simplesmente TDAH é um problema que tem atingido muito as pessoas hoje em dia, conhecido como doença do século XXI, o TDAH atinge principalmente as crianças, adolescentes e jovens.

Geralmente pessoas com TDAH são pessoas agitadas, faladoras, ansiosas, não conseguem se focar em quase nada, tem memória menor que a de uma formiga e passa parte do tempo “viajando”. Tenho certeza que muitos que estão lendo isso nesse momento estão pensando “nossa, é exatamente assim que eu sou”, mas calma, você ainda vai se identificar com mais sintomas, assim como eu, quando tomei conhecimento a 4 anos atrás e me identifiquei.

Para exemplificar um dia de alguém que tenha TDAH, vou dar o exemplo do meu dia de hoje, esse mesmo dia que eu estou escrevendo este texto.

Hoje é sábado e agora são 16h, levantei as 7 da manhã porque ontem estava muito cansado e fui dormir antes das 22h. Eu acordei, escovei meus dentes e fui para o computador.A primeira coisa que fiz foi abrir 3 abas do navegador para notícias, 1 para meu gMail, 1 para o twitter, 1 para o Google Analytics, 1 para meu blog pessoal, 1 para meu blog sobre Compras Coletivas e 1 para meu gReader. Isso tudo quase que instantaneamente, pois tenho atalhos na barra dos favoritos. Conforme eu ia lendo as abas, pelo menos mais 5 eu abria, no twitter, feeds de blogs, notícias e tudo mais.

Após algum tempo (que não foi muito) eu já tinha feito tudo e estava ficando entediado, então pensei em jogar DOTA ou escrever um post para meu blog, pois eu estava com alguma ideia na cabeça, coisa que já não lembro por nada nesse mundo. Então eu fui no banheiro para tirar a água do joelho (nossa essa é velha hein) e quando voltei, vi um livro sobre referências bíblicas em cima de minha mesa e resolvi dar uma folheada, quando me dei conta, eu estava com 2 bíblias abertas, mais a enciclopédia bíblica, mais um caderno em que eu estava fazendo diversas anotações.

Após algum tempo nisso, a fome bateu e resolvi que iria fazer o almoço, enquanto eu estava me dirigindo a cozinha, vi minha revistinha do Homem Aranha no caminho e fui dar uma folheada, quando me toquei eu já estava terminando de ler a quarta revistinha (cada uma tem 100 páginas). Beleza, meu estômago me lembrou que ele precisava de comida, então lá fui eu preparar o rango. Chegando na cozinha eu “decidi” que comeria bife e salada de tomate, tirei a carne do freezer e fui preparar o tempero, enquanto preparava, vi batatas na geladeira e pensei “por que não fazer também batatas fritas?”, eu terminei de descascar as batatas e vi linguíça no freezer e pensei “por que não preparar linguíça com batata e calabreza?” comecei a preparar tudo…daí eu lembrei que estava preparando bife para fritar. Mas daí era tarde demais e voltei ele no freezer.

Amigos…Pra que eu fui abrir o freezer? Porque eu me dei conta que estava cheio de gelo e precisava desligar a geladeira para degelar. Tirei tudo que tinha na geladeira, desliguei-a e voltei a preparar meu rango, que a essa altura do campeonato, minha barriga já estava gritando, talvez seja por isso que não esqueci dele. Fritei a linguíça com batata, com um tempero dahora de pimenta e curry então pensei que poderia também fritar steak de frango, fui lá e fritei, mas meu desejo por comida só aumentava, então fritei também massa de pastel para comer de petiscos.

Finalmente eu comecei a comer assistindo filme. 2 horas após o filme eu já estava alimentado e descansado para poder lavar a louça. Eu ia começar a lavar louça e vi que o gelo já tinha derretido todo, então tive a brilhante ideia de lavar a geladeira, pois desde que comprei ela (em abril do ano passado) nunca tinha lavado a coitada por dentro. Comecei a lavar no meio da cozinha mesmo e pensei “já que a cozinha tá suja, vou lavar aqui mesmo e deixa que a água escorra” após lavar a geladeira eu pensei “por que não lavar a cozinha inteira?”

Depois de um bom tempo eu lavando tudo e passando pano pra secar, fui lá no quintal para lavar as partes de dentro da geladeira que desencaixam, depois de lavar elas eu vi que o quintal estava bastante sujo, então, por que não lavar o quintal também? Mano, o bixo tava muito sujo, tinha crosta de sujeira. Depois de outro longo tempo, terminei e fui começar a lavar louça e arrumar as coisas do armário e da geladeira.

Finalmente terminei, e agora moído de cansaço, tomei um banho e anda tive pique de vir aqui compartilhar essa bostinha de dia com vocês.

Como vocês podem ver, uma coisa me leva a outra. E todos os meus dias são assim. No trabalho eu costumo me policiar um pouco mais, todavia ainda assim eu sofro bastante no sentido de começar um serviço que possui prazo de entrega e acabar indo fazer outro, e outro e outro, quando percebo, esqueci que tava fazendo aquele primeiro. Isso quando eu não caio na vadiagem malemolente.

Algo que me ocorre com frequência é quando estou conversando com alguém, as vezes até mesmo em assuntos importantes e eu não consigo me focar na conversa. Minha cabeça pensa milhões de coisas,  tudo que eu falo é “aham, sim, com certeza, claro, é lógico”.

Outro fato curioso é aquilo que chamam de hyper-foco, ou seja, quando começo alguma tarefa e me foco tanto nela, que ninguém seria capaz de se focar tanto, a ponto de terminar ela muito mais rápido, com muito mais perfeição e com prazer em fazer aquilo que estou fazendo. É um tanto quanto raro acontecer isso, mas quando acontece é muito bom.

Dizem que quem tem TDAH e toma Ritalina, pode controlar e estar quase que sempre em hyper-foco, eu não sei se eu poderia tomar isso, pois parece que ela deixa ansioso e ansiedade é tudo que eu não posso ter, só digo uma coisa, pânico. Quem sabe, vai entender. Prefiro não arriscar.

Mas enfim, tenho certeza que muitos aqui se identificaram no texto, ou pelo menos conhece alguém que vive dessa maneira.

Se você também “sofre” desse mal, comente abaixo com sua história ou algum caso conhecido.

Ah a Telefônica…

telefonica
A seguir, você irá ler um relato de apenas mais um dentre milhares (milhões?) de brasileiros que já foram lesados pela Telefônica.

A 2 meses atrás eu liguei para a Telefônica na intenção de colocar Speedy em minha casa, eles me informaram que para eu contratar o Speedy, teria que contratar primeiramente uma linha de telefone, pois somente assim seria possível saber se tem disponibilidade de sinal em meu bairro.

Já comecei a ficar bravo desde então, porque eu não preciso de uma linha de telefone, uso apenas meu celular, não faço muitas ligações por dia, eu odeio falar ao telefone. Antes que venham me falar que realmente precisa de uma linha de telefone para ter o Speedy, sim eu sei disso, mas o que não concordo, é que o único jeito de saber da disponibilidade do serviço, é contratando também uma linha telefônica.

Pois bem, contratei aquela linha econômica, pois como eu não iria utilizar o telefone, peguei a mais barata mesmo. Logo em que minha linha foi instalada, liguei novamente na Telefônica para contratar o Speedy, adivinhem… não tinha disponível naquele momento, mas assim que disponibilizassem o sinal, iriam entrar em contato comigo para avisar. Uma semana…duas semanas…três semanas e nada. Então na quarta semana, um mês desde que contratei eu paguei minha primeira mensalidade da conta que inclui o plano + uma parcela da habilitação da linha que custa R$ 130,00, eu não havia feito nem uma ligação sequer, alias, eu não tinha nem um aparelho de telefone ainda, esses dias que eu fui na Americanas e comprei um simplão. Liguei para a Telefônica e ainda não tinha disponibilidade de sinal do Speedy.

Duas semanas se passaram e lá fui eu ligar para a Telefônica para cancelar minha linha, afinal eu não queria pagar a segunda mensalidade sem ter usado nada. Quando informei o motivo do cancelamento, instantaneamente o atendente me informou que iria dar um jeito de conseguir pra mim Speedy. Eu ainda realmente gostaria de ter o Speedy, portanto aceitei a proposta dele e esperei 24 horas até que eles entrassem em contato comigo informando que estaria ativado o sinal para minha linha. 24 horas se passaram e…nada!

Como eu estava meio de saco cheio e sem tempo para ficar pendurado no telefone com os atendentes super legais da Telefônica, aguardei quase mais 2 semanas, até que sábado dia 29-01, liguei para eles para cancelar definitivamente minha linha, dessa vez liguei decidido. Informei todo o motivo do cancelamento para eles e mais uma vez falaram que iriam conseguir pra mim o Speedy, dessa vez era certeza. Mas como falei, eu estava decidido a cancelar, e foi isso que fiz.

Fiquei aproximadamente 1 hora e meia pendurado no celular (bateria ficou no talo) e finalmente consegui cancelar minha linha. Porém, caros leitores, eu serei obrigado a pagar a habilitação da linha que eu nunca usei + as duas mensalidades do plano. A mensalidade do plano eu realmente me sinto obrigado a pagar, afinal estava ali o tempo todo, não usei porque não quis. Mas a habilitação, não tem jeito, vou ter que pagar. Você deve estar pensando “ah mas isso estava no contrato, concordou vai ter que pagar”. Ok, também concordo com isso. Mas onde que fica o respeito ao cliente?

Não acho justo eu ter que contratar um serviço para só depois ficar sabendo se ele funciona em meu bairro ou não. Resultado da história, paguei 2 mensalidades do plano + 2 parcelas da habilitação, e mês que vem terei que pagar as outras 8 parcelas de uma só vez, sem ao menos ter usado absolutamente nada.

Por favor senhora Telefônica, seria possível mudarem esse esquema de obrigarem seus clientes a adquirir um produto que não precisam para só assim saber da disponibilidade de outro?

Como foi sua infância?

Pipa

Estamos no mês de janeiro, férias escolares de muitas crianças e por isso vejo no céu muitas pipas, o que me fez ter um feeling forte de minha infância.

Hoje tenho 22 anos e me considerei criança até uns 15-16 anos, na verdade ainda acho que sou um crianção, porém com responsabilidades, ou seja, de 1988 até 2003 foram os melhores anos que já existiram desde que Jesus veio a terra em forma de homem.

Em minha infância, eu chegava da escola ansiosíssimo para almoçar o mais depressa que podia e ir pra rua brincar. Após as brincadeiras, pouco antes de escurecer, entrava para casa e tomava um banho de gato para ir logo para o vídeo game, meu bom e velho Master System, jogar Alex Kidd, Jogos de Verão, Golden Axe, Sonic, Out Run e outros que me prendiam por horas, ou até minha mãe mandar eu desligar a tv para ir dormir.

Quando estava brincando na rua, as brincadeiras variavam entre pega-pega, esconde-esconde, polícia e ladrão, jogar bolinha de gude (fubeca para uns, bilinha para outros) e soltar pipa. Sobre soltar pipa e jogar bolinha de gude que eu vou falar um pouco mais, pois foi o que mais me motivou a escrever esse texto.

Em meados de 1995 eram tempos difíceis (não tanto para algumas pessoas que enriqueceram na troca de moeda no ano anterior) e minha família não tinha muita grana que me garantisse uma infância com luxos, dou graças a Deus por isso, pois foi pela falta de dinheiro que tive a melhor infância de todo mundo, quem já soltou pipa nessa época, deve lembrar que era uma loucura, era só olhar para o céu em São Paulo ou ABC que tinham pipas para tudo quanto é lado, a disputa para cortar a linha dos outros era enorme e mais a correria para ir atrás das que eram cortadas ou quando “aparava” a cortada para trazer a mesma junto a nossa linha. Alegria sem tamanho! Também quando eu jogava bolinha de gude com meus amigos no meio da rua, apenas fazendo um triângulo com tijolo e colocando algumas bolinhas no centro, quem tirasse mais ganhava.

Digo que foi a falta de dinheiro que fez minha infância ter sido muito mais intensa pelo simples motivo, se eu tivesse grana, será que eu teria ficado tão feliz em ganhar pipa dos outros ou as bolinhas de gude? Não seria muito mais fácil eu ter ido na vendinha da esquina, comprar um monte deles e me exibir para meus amigos? Claro que sim, porém como para eu conseguir 1 ou 2 reais era algo extremamente difícil, quando eu ganhava 30 centavos, ia logo comprar um peixinho ou meia dúzia de bolinhas. Para adquirir mais eu teria que ser bom para conquistar (vejo semelhanças no mercado de trabalho hoje em dia).

Bolinha de gude triangulo

Avançando alguns anos, mudei para o interior de São Paulo, em uma chácara em São Pedro para ser mais exato. Nessa época foi o que definiu minha criatividade, creio eu. Como eu morava a muitos kilometros da cidade, não tinha muitos amigos a não ser 2 ou 3 caipiras que eu não conseguia me agradar deles, portanto levei por anos uma vida muito excluído de tudo e todos (antes que metam o pau, eu estudava no período da manhã, então tinha alguns amigos).

Não tinha muito o que fazer na chácara, por isso eu tinha que inventa brincadeiras  para passar o tempo. Foi aí que eu tive apenas duas escolhas: ser um manézão que fica o dia inteiro na frente da tv ou deixar minha criatividade fluir e ser feliz.

Perdi as contas de quantas cabanas eu construi no meio do mato, e não digo simples cabanas, elas tinham cômodos inclusive. Eu tinha minhas próprias galinhas e coelhos que cuidava sem ajuda de ninguém, construía abrigos para eles. Contruí caixas para gordura que saía da pia da cozinha para não ir direto para a fossa (eu sempre tive responsabilidade ambiental), construí minhas próprias hortas, pintei meu quarto, construía meus carrinhos e caminhões para brincar no monte de areia depois. Lembro também como se fosse hoje de quando construí um fogão a lenha e minha mãe ficou muito feliz, usou ele por anos.

Após esse período de exclusão social na chácara, me “aventurei” na cidade com meus amigos da escola. Com eles eu comecei a fazer escolinha de futebol e a andar de skate, eu ia para a escola as 7 da manhã contando os minutos para dar meio dia e ir no mercado comprar bolacha e Itubaína com os amigos (esse era nosso almoço) e depois pegar o skate e passar o dia inteiro andando pelas ruas da cidade (que por ser uma cidade bastante pequena não tinha problemas com a violência). Juntava cada centavo para comprar peças melhores para o skate ou para comprar CDs das bandas que gostávamos (foi aí que comecei a ouvir o bom e velho hardcore).

Essa foi de uma forma extremamente resumida minha infância, é claro que houveram infinitas outras diversões e aprendizados, porém se eu fosse escrever tudo aqui, levaria alguns dias e ainda assim não lembraria de tudo.

Fico pensando sobre a infância de hoje em dia, as crianças estão cada vez mais cedo experimentando bebidas alcólicas e até mesmo drogas, estão cada vez mais cedo dando o primeiro beijo e tendo relações sexuais. Crianças que chegam da escola e ficam o resto do dia no computador vendo besteiras e conversando com seus amigos sobre assuntos que não deveriam ser discutidos nessa idade.  Enfim…o objetivo desse texto não é falar mal de ninguém, mas sim falar um pouco da minha perfeita infância.

Te pergunto, como foi sua infância?

Enchente em Piracicaba

Nessa última semana Piracicaba sofreu com a fúria de seu famoso rio. Em poucas horas o Rio Piracicaba começou a subir e não parou mais, até que alagou primeiramente as ruas de sua extensão e depois foi avançando para os bairros paralelos.

O fato foi uma desgraça para muitos, um grande número de famílias tiveram suas casas totalmente invadida pela água e perderam muitos móveis e bens pessoais. O comércio local também sofreu com isso e teve que manter suas portas fechadas.

Hoje tive a oportunidade de ir até alguns locais que estavam alagados para tirar fotos, mesmo o nível da água ter diminuido bastante, ainda assim renderam algumas boas fotos mostrando um pouco da situação que grande parte do povo piracicabano está enfrentando. Não sou fotografo profissional, apenas peguei uma camera simples e fotografei, portanto perdoem-me pelo amadorismo.

Após a décima linha de fotos, as próximas foram encontradas em sites de notícias e outros blogs, confiram:

(Clique para ampliar as fotos)

3 outras galerias que valem a pena dar uma olhada pois possuem muitas outras fotos de qualidade:

Folha.com:

Enchente Folha

Provacontato:

Cidade Mais:

Curso Mestre SEO – Review

A 10ª Turma do Curso de SEO

Nos dias 20 e 21 de novembro, estive em São Paulo para o curso do Mestre SEO.

Foram dois dias bastante cheios, agitados e muito, mas muito produtivos e divertidos.

No primeiro dia,  Juliano abriu o curso juntamente com Fabio Ricotta, a ordem das apresentações eu não me recordo, mas tivemos On-Page com Bruno Nassar, Social Media com Fabiane Lima, Facebook com Ique Muniz, Analytics com Frank Marcel, Ferramentas SEO com Felipe Cambui, Local Search com Riolino e todos os outros módulos com o mestre (virou clichê já hehehe) Fabio Ricotta.

A quantidade de informações que recebemos por todos eles vieram como uma porrada bem dada. É informação a valer! O curso aconteceu a quase 2 semanas e eu ainda estou “digerindo” todo aquele monte de dados.

Tudo isso sem contar os 3 coffee breaks + almoço delicioso + coquetel de encerramento. Eu até tinha brincado que o Mestre SEO ganhou a gente pela boca, mas na verdade ganharam pela boca e principalmente pela qualidade do ensino.

Os professores são totalmente atenciosos e competentes, entendem de verdade daquilo que estão ensinando. Nos coffee breaks e na hora do almoço, comíamos juntos e trocávamos bastante informações, foi aprendizado do começo ao fim do curso.

Se você ainda não sabe nada de SEO e se você já sabe alguma coisa, ou até mesmo se você sabe muito, vale a pena fazer o curso.

Segue abaixo algumas fotos tiradas durante o curso. As de melhores resolução são as mesmas que estão na Fan Page no Facebook do Mestre SEO as de baixa foram tiradas por mim mesmo com um celular.

[miniflickr photoset_id=72157625380589141&sortby=date-posted-desc&per_page=50]

Hello world!

Hello World

Bom dia, boa tarde, boa noite.

Depois de mais de 1 ano sem um blog de verdade (Tumblr não conta) voltei agora com esse blog pessoal.

Eu sou o Daniel Vieira (jura?) o ex dono do Blog do Xani, que era um blog não pessoal, pois eu abordava assuntos sem muito vínculo a minha pessoa. Usarei esse espaço para falar do meu dia-a-dia, meus devaneios, loucuras, fotos, textos cristãos, reviews de filmes, seriados, músicas, restaurantes (sou viciado em comer fora), programação, SEO, jogos, HQ´s e nerdices em geral.

Também utilizarei esse blog para divulgar alguns trabalhos meu, o tal do portfolio.

Fiquem a vontade para fazer comentários com críticas, sugestões, elogios ou apenas para me abençoar ou xingar hehehe.

Aguardem por conteúdos muito interessantes e atuais.

Fiquem com Deus.